O Jeito Warren Buffett de Investir

Tempo de leitura: 11 minutos

Warren Buffett é sem dúvida o investidor mais bem-sucedido de todos os tempos e o maior expoente do investimento em valor. Seu sucesso se dá pelo fato de ele ir na contramão do senso comum da bolsa de valores. Ele considera que investe em negócios, não em ações; ele não se preocupa com as oscilações diárias dos preços das ações, mas com os lucros, vendas e outros indicadores das empresas; ele não procura obter ganhos no curto prazo, mas compra ações para mantê-las por anos e até décadas.

Ao longo dos próximos parágrafos você conhecer um pouco mais essa lenda viva dos mundos dos investimentos. Eu também vou lhe mostrar quais são os princípios que guiam Buffett na escolha das empresas em que ele investe. Espero que goste do conteúdo.

Quem é Warren Buffet?

Warren Buffett é o CEO da Berkshire Hathaway, sua empresa de investimentos localizada em Omaha nos Estados Unidos. Ao longo de sua carreira de investidor, que começou em 1954, Buffett juntou uma das maiores fortunas no mundo, sendo que chegou a ser o homem mais ricos do mundo em 1986. Hoje ele acumula uma fortuna de US$ 72,7 bilhões, de acordo com a revista Forbes, sendo o 3º homem mais rico do mundo. Buffett é considerado o investidor mais bem-sucedido de todos os tempos, com uma taxa de retorno média de 22,3% ao longo de 36 anos.

Buffett parte do princípio de que ações representam um negócio real, e devem ser encaradas com tal. Dessa forma, o investidor deve se focar na análise da empresa com um todo, não apenas do preço da ação. À primeira vista as ideias de Buffett parecem ser simples, mas ao analisar seus detalhes logo vamos ver que elas não são não.

Os Princípios de Buffett

Mas afinal, o que Buffett procura quando analisa uma empresa? No seu livro O Jeito Warren Buffett de Investir, Robert G Hagstrom nomeia quatro princípios que Buffett utiliza quando está avaliando um negócio. Eles podem ser agrupados em quatro grupos distintos.

  • Os Princípios da Empresa;
  • Os Princípios da Administração;
  • Os Princípios Financeiros;
  • E os Princípios de Mercado.

A seguir vamos ver cada um desses grupos em detalhes.

1. Princípios da Empresa

Princípios da Empresa

Para avaliar os princípios da empresa Buffett realiza as seguintes perguntas:

1.1. A empresa é simples e compreensível?

Para Buffett um investidor que não pode fazer uma avaliação inteligente sobre o futuro de uma empresa se ele não entende como ela ganha dinheiro. Quanto maior o grau de compreensão do investidor na empresa em que ele está investindo maior será o seu sucesso. Esse ponto de vista vai na contramão do pensamento predominante no mercado. É comum ver pessoas que investem em ações ser terem a menor ideia de como a empresa obtém lucro e as vezes não saberem se ela sequer obtém lucro.

1.2. A empresa tem uma história de operações consistente?

Buffett investe apenas em empresas que já sobreviveram ao teste do tempo. Ele acredita que os melhores retornos vêm de empresas que já passaram por diferentes ciclos econômicos e vem oferecendo os mesmos produtos ou serviços por vários anos. Eventualmente uma empresa pode ter um período de rentabilidade interrompida, apesar de ter uma história sólida de sucesso operacional. Este período de lucros interrompidos é o momento ideal para comprar ações dessa empresa por um preço muito baixo.

Novamente o posicionamento de Buffett contrastada com a da maioria dos investidores que são atraídos por empresas que estão passando por uma reestruturação por causa de um fracasso na estratégia anterior. Para ele mudanças na direção da empresa aumentam os riscos de erros na condução das mesmas e ele acredita que empresas que passam da quase-falência para o lucro dificilmente se recuperam de fato.

1.3. A empresa tem uma perspectiva favorável de longo prazo?

Aqui Buffett categoriza as empresas como “franquias” e “commodities”. Uma “franquia” é uma empresa que vende um produto ou serviço que é necessário ou desejado, não tem um substituto próximo e não está sujeito a regulamentação. Já uma empresa “commodity” vende um produto ou serviço que é indistinguível do de seus concorrentes, ou seja, a única diferença entre os produtos de uma e de outra é o preço.

As empresas caracterizadas como “franquias” são aquelas que tem as melhores para investir no longo prazo, pois podem aumentar os preços sem perder participação de mercado, garantindo um retorno acima da média. Outra característica positiva de uma “franquia” é o valor intangível do negócio, como marcas e patentes possuídas pela empresa.

Já as empresas “commodities” só podem competir com seus concorrentes com base no preço, e por isso são fortes candidatas a terem problemas com lucros. Elas só conseguem obter um faturamento acima da média nos curtos períodos em que o fornecimento pelo produto é baixo. Entre as “commodities” podemos citar as empresas de petróleo, gás, produtos agrícolas, minerais e até de computadores, automóveis e serviços bancários.

2. Princípios da Administração

Princípios da Administração

Já quando Buffett quer avaliar o quão bem uma empresa é administrada, ele realiza as seguintes perguntas:

2.1. A administração é racional?

Como a empresa aloca o seu capital disponível determinará se você conseguirá obter um retorno adequado no seu investimento. A decisão entre reinvestir os lucros ou distribuí-los aos acionistas é, na visão de Buffett, o que determina se a administração é ou não racional.

Se o dinheiro reinvestido pela empresa gera mais retorno para o acionista do que se ele investisse o dinheiro de outra forma (em fundos de investimentos, por exemplo) é melhor que todos os lucros excedentes sejam reinvestidos pela empresa. Já se a empresa gera um retorno menor do que as outras opções de investimento disponíveis ao acionista o dinheiro deve retornar aos acionistas, através da distribuição de dividendos ou comprando suas próprias ações.

2.2. A administração é honesta com seus acionistas?

Buffett dá muita importância para a forma como a empresa se comunica com seus acionistas. Ele considera que uma administração franca e honesta é aquela que relata a situação financeira da empresa completamente, de maneira que se possa entender o desempenho de cada divisão operacional. Ele valoriza a administração que confessa seus erros tão abertamente quanto seus sucessos e não respeita aquelas que tentam esconder informações através de truques de contabilidade.

2.3. A administração resiste ao imperativo institucional?

O imperativo institucional pode ser descrito como a insensata imitação que os administradores fazem de seus pares, sem se importar o quão irracionais suas ações possam ser, esquecendo-se dos interesses dos acionistas. Para Buffett uma administração eficiente pensa por si própria e evita seguir a mentalidade de manada.

3. Princípios da Financeiros

Princípios Financeiro

Agora vamos ver o que Buffett procura quando faz a análise financeira da empresa, utilizando a análise fundamentalista e o investimento em valor de Benjamin Graham.

3.1. Foque no retorno sobre patrimônio líquido, não lucro por ações

Para Buffett o mais importante para julgar o sucesso de uma empresa é avaliar se ela consegue uma alta taxa de retorno sobre o capital social, não na sua habilidade de produzir aumentos no lucro por ação. O crescimento dos lucros é insignificante, o que de fato importa é se a empresa tem crescimento no seu capital, de modo que o retorno sobre o patrimônio líquido (lucro líquido dividido pelo patrimônio líquido) deve ser utiliza como medida de desempenho.

Para obter o retorno sobre o patrimônio líquido Buffett faz uma série de ajustes para isolar a parte do resultado obtido que depende apenas do desempenho da administração da empesa. Por exemplo, ele utiliza a média de retornos ao longo de 5 ou mais anos e exclui ganhos e perdas extraordinários (receitas e despesas que não vão se repetir).

3.2. Calcule os “lucros do dono”

Para Buffett a capacidade de geração de caixa da empresa é o que determina seu valor. Ele procura por empresas que geram dinheiro em excesso. O lucro por ação contábil nem sempre reflete o verdadeiro desempenho da empresa. Empresas com muitos ativos fixos precisam reter uma maior parte deste lucro para permanecerem viáveis. Por isso, em vez de utilizar o fluxo de caixa Buffett ajusta os lucros líquidos para refletir a capacidade da geração de caixa. Ele calcula o que chama de “lucros do dono”, que é o lucro líquido + depreciação + exaustão + amortização.

3.3. Procure empresas com altas margens de lucro

Uma alta margem de lucro significa que sua administração controla bem seus custos. Os administradores de operações de alto custo sempre conseguem aumentar ainda mais os custos, enquanto os administradores de operações de baixo custo sempre conseguem cortar ainda mais as despesas.

3.4. Para cada dólar reinvestido, tenha certeza que a empresa gerou pelo menos um dólar em valor de mercado

Este teste rápido criado por Buffett lhe dirá o quão bem a administração da empresa tem alocado seus recursos racionalmente. O teste se baseia na observação de que, no longo prazo, o valor de mercado de uma empresa na bolsa tende a acompanhar o valor do negócio.

Some os lucros retidos pela empresa em um determinado período. Agora, encontre a diferença entre o valor de mercado da empresa no início e no fim do período analisado. Buffett considera que a diferença do valor de mercado deve ser pelo menos igual do valor dos lucros retidos pela empresa.

4. Princípios de Mercado

Princípios de Mercado

Depois de submeter uma empresa a todos os seus princípios anteriores, Buffett determina o preço justo da ação, para ver se realmente vale a pena comprá-la.

4.1. Qual é o valor da empresa?

Buffett estabelece o valor de uma empresa é estimar os fluxos de caixa, ou “lucros do dono”, que uma empresa irá receber no futuro. No entanto para que seja possível determinar os fluxos com bastante precisão é preciso que a empresa seja simples e compreensível, e tenha um histórico de operações consistente. Se Buffett não consegue projetar os fluxos de caixa futuros com um razoável grau de certeza ele rejeita o investimento.

4.2. A empresa pode ser comprada com um desconto significativo em relação ao seu valor?

Uma vez determinado o valor de uma empresa é preciso ver a relação deste com o preço da ação. Com Benjamin Graham, pai do Investimento em Valor, Buffett aprendeu que deve comprar uma empresa somente quando o preço estiver com um desconto em relação ao valor intrínseco da empresa. Isso faz com que ele tenha uma margem de segurança, que o protege em casos onde o valor foi subestimado e permite obter um retorno acima da média quando for determinado corretamente.

Conclusão

Neste artigo você conheceu um pouco sobre como uma das figuras mais importantes no mundo dos investimentos faz para selecionar suas ações. É possível que você tenha ficado com dúvidas sobre como você pode aplicar estes critérios na prática. Se quiser saber mais sobre como calcular o valor de uma ação, por exemplo, recomendo que leia no artigo O Método Definitivo para Ganhar Dinheiro com Ações, em que falo mais sobre o tema e dou algumas dicas de como começar. Espero que tenha gostado do artigo e até a próxima.

  (crédito das imagens: shutterstock.com)