Como Investir no Tesouro Direto – O Guia Completo

Tempo de leitura: 21 minutos

Não existe pior maneira de investir do que escolher um investimento que tenha uma rentabilidade menor do que suas alternativas de risco equivalente. Muitas pessoas optam por investir seu dinheiro na Poupança em vez de buscar alternativas mais eficientes e isso acaba lhes trazendo uma rentabilidade muito menor do que aquela que poderiam facilmente obter.

Assim como muitas pessoas eu sempre pensei que a Poupança era o investimento mais fácil e mais seguro que existia. Porém, há algum tempo eu conheci uma alternativa de risco semelhante a Poupança chamada Tesouro Direto. As pessoas que investem na Poupança estão perdendo dinheiro simplesmente porque não não conhecem esta excelente opção de investimento. Elas escolhem a opção mais fácil – a Poupança – em vez de investir no Tesouro Direto, que tem me trazido resultados excelentes de forma consistente e rendendo facilmente o dobro da Poupança.

Ao longo dos próximos parágrafos vou explicar como funciona o Tesouro Direto, como escolher o título mais adequado seus objetivos, como realizar a compra e venda dos títulos e também te falar sobre os altos retornos que são possíveis com o Tesouro Direto. Aproveite o conteúdo.

O que é o Tesouro Direto

O que é o Tesouro Direto

O Tesouro Direto, que foi criado em 2002, é um mercado para a compra e venda de títulos públicos federais do Tesouro Nacional. Através dele o pequeno investidor pode investir na dívida pública a partir R$30 sem intermediação de bancos e demais instituições financeiras, e o melhor: tudo sem sair de casa, pois o Tesouro Direto funciona 100% pela internet. Antes da criação do programa a única forma de comprar título públicos era através da intermediação dos bancos, que cobram enormes taxas, inviabilizando que os pequenos investidores obtivessem grandes lucros. Dessa forma, o Tesouro Direto permite que qualquer pessoa invista de forma direta na dívida pública, o que antes de 2002 não era possível.

Mas agora você pode estar se perguntado? O que diabos são esses tais de “títulos públicos”? Um título não é nada mais do que uma porção da dívida pública. Ou seja, é dinheiro que você está emprestando para o governo em troca de uma rentabilidade futura. Os títulos negociados no Tesouro Direto são os mesmos títulos que são usados pelos fundos de renda fixa e nos planos de previdência privada. Como o Tesouro Direto só negocia títulos públicos federais, passaremos a chamá-los simplesmente de títulos públicos.

Através do Tesouro Direto é possível comprar e vender títulos públicos. Os títulos são criados pelo Tesouro Nacional e colocados à venda. O investidor pode então comprar quantos títulos quiser e numa data determinada (data de vencimento) vai receber o dinheiro investido inicialmente acrescido de juros. Se quiser, o investidor também poderá vender os títulos de volta para o Tesouro Nacional antes da data de vencimento.

O Tesouro Direto negociada basicamente três tipos diferentes de títulos, como veremos no decorrer deste artigo. Cada título tem um preço que é atualizado diariamente. Essa variação, por sua vez, depende justamente do tipo de título.

Na tabela abaixo você pode observar os preços dos títulos no dia 04/05/2015. Como os preços são atualizados diariamente, você deve acessar o site do Tesouro Direto para conferir a tabela atualizada.

Tabela de Títulos Públicos do Tesouro Direto

A princípio essa tabela pode ser assustadora, mas não se preocupe, você irá compreender cada item dela no decorrer deste artigo. Observe que na primeira coluna está sendo mostrado no nome do título. Eles estão divididos em três categorias diferentes, como já explicado antes, que são: Indexados ao IPCA, Prefixados e Indexados à Taxa Selic. Nas demais colunas é apresentada a data de vencimento do título, as taxas de compra e venda e o preço de compra e venda. Veja que no campo “Vencimento” está a data de vencimento do título. Essa é a data em que você irá receber de volta o valor investido acrescido dos juros acumulados no período. Já a coluna “Preço Unitário – Compra” mostra o preço de cada título atualmente. Você pode comprar quantos títulos quiser, e até comprar frações dos títulos.

Nos dias úteis antes das 18 horas a tabela mostra somente os preços de compra dos títulos. A partir das 18 horas até as 5 horas do dia seguinte, ou durante fins de semana e feriados a tabela exibe também os preços de venda. Durante este horário é possível fazer a venda antecipada dos títulos, inclusive os títulos que não estão mais disponíveis para a compra. Mesmo não sendo possível comprar novas unidades quem já tem o título pode fazer a venda antecipada normalmente. Veja abaixo a tabela completa. Observe que os títulos que não estão disponíveis para compra têm o campo “Preço Unitário do Dia – Compra” vazio.

titulos-completa

Demais explicações sobre essa tabela serão dadas em seu devido tempo. Por hora você já tem as informações técnicas essenciais e agora está na hora de aprender como investir no tesouro direto.

Como Investir no Tesouro Direto

Como Investir no Tesouro Direto

Muitas pessoas acham que é complicado investir no Tesouro Direto e tem dúvidas que vão desde a escolha do título até dúvidas em relação a aspectos operacionais do programa. Percebo que esse é o grande empecilho que está impedindo as pessoas que começar a investir no Tesouro Direto. Elas até tentam mas desistem por achar muito “complicado” e preferem permanecer perdendo dinheiro com a Poupança. Por isso resolvi escrever esse artigo com todas as instruções passo-a-passo de como investir no Tesouro Direto. Vamos começar!

A primeira coisa que você precisa fazer é encontrar uma instituição financeira que esteja habilitada a operar no Tesouro Direto. Essa instituição é chamada no Tesouro Direto de agente de custódia. O agente de custódia serve para intermediar as suas transações no Tesouro Direto e pode ser tanto um banco como uma corretora de valores. Ao comprar um título você irá transferir seu dinheiro para o agente de custódia que é responsável pelo pagamento da operação. O agente de custódia pode ser tanto um banco como uma corretora de valores.

Agora acesse esta página do site do Tesouro Direto onde você encontrará uma lista de instituições financeiras habilitadas. Veja que alguns agentes de custódia não cobram taxa de administração. Essa taxa é a forma de remuneração do agente de custódia, que é um percentual anual sobre o valor investido. Escolha um agente de custódia que não cobra taxa de administração ou que cobre um valor baixo (até 0,10%). Se você observar irá ver também que a maioria dos bancos cobra altas taxas de administração, por isso os bancos não costumam ser uma boa escolha para investir no Tesouro Direto. Recomendo que você escolha uma corretora pois a abertura da conta é geralmente feita totalmente pela internet e não há nenhum custo para abrir a conta.

Confira também, no fim da página das instituições financeiras habilitadas, o link chamado “Ranking por número de compras”. Esse botão está bem no final da página e através dele é possível ver a lista atualizada de agentes de custódia por número de compras no Tesouro Direto. Prefira as corretoras maiores, pois quanto maior o volume de negócios, melhor tende a ser a qualidade e confiabilidade da corretora.

Uma vez que você escolheu um agente de custódia você deve fazer a abertura da conta. Comece entrando site da corretora/banco escolhido e procure pelas informações de taxas para confirmar que a taxa é a mesma apresentada no site do Tesouro Direto. Em seguida procure pelo botão de cadastramento e clique nele. Geralmente você deverá preencher um formulário online e depois imprimir uma ficha de cadastramento e assiná-la. O processo varia de corretora para corretora, mas dentro de alguns dias você terá sua conta criada.

Depois do cadastro, você receberá uma senha provisória para o primeiro acesso à área restrita do Tesouro Direto, em que são realizadas as operações de compra e venda, assim como consultas a saldos e extratos. Pronto! Você já será investidor habilitado e poderá começar a investir. Agora você precisa descobrir qual título é mais adequado para alcançar o seu objetivo financeiro e é exatamente sobre isso que irei falar no próximo tópico.

Escolhendo o Título

Escolhendo o Título do Tesouro Direto

Escolher o título errado é uma falha muito grave que deve ser evitada a qualquer custo. Vejo que muitas pessoas escolhem um título sem nem ao menos entender o funcionamento do mesmo. O grande problema é que essas pessoas podem ter uma rentabilidade muito menor aquele que teriam se tivessem escolhido o título mais adequado para seus objetivos.

O Tesouro Direto criou o Orientador Financeiro, uma ferramenta para ajudá-lo a escolher em qual título investir. Ao responder a poucas perguntas, você será conduzido a opções de investimento mais alinhadas aos seus objetivos financeiros, aos seus horizontes de aplicação e à sua tolerância a riscos. Se você quer saber, sem rodeios qual é a melhor opção clique aqui para acessar o orientador financeiro agora e descobrir qual o melhor título para comprar.

O teste com certeza é muito útil, mas reforço que o ideal é que você também aprenda as características de cada um dos títulos. A seguir uma pequena descrição dos títulos vendidos no Tesouro Direto e no final de cada descrição há um link para um outro artigo em que explico em mais detalhes o funcionamento de cada título e falo sobre como funciona a venda antecipada dele e ensino como calcular a sua rentabilidade. Os títulos do Tesouro Direto podem ser classificados em dois grandes grupos: os pré-fixados e os pós-fixados. Vejamos as principais diferenças entre cada um deles.

Títulos Pré-Fixados

Esses títulos têm a rentabilidade pré-fixada, ou seja, o investidor já sabe quanto irá receber na data de vencimento. Esses títulos sempre valem R$1000 na data de vencimento, independentemente do valor atual dele. Suponhamos que o valor de um desses títulos é de R$700 e sua data de vencimento é daqui a dois anos. Portanto, ao comprar esse título você já sabe que receberá exatamente R$1000 daqui a dois anos. Dessa forma é possível saber qual será a rentabilidade exata do título na data de vencimento.

Esse título é recomendado para aplicações de médio prazo em que o investidor pretende manter o título até o vencimento. Também é recomendado para aqueles que acreditam que a inflação se manterá estável e que não haverá aumentos nas taxas de juros. A principal vantagem dos títulos prefixados é a previsibilidade do rendimento. A desvantagem é que caso o título seja resgatado antecipadamente há a possibilidade do investidor ter prejuízo.

Resumindo,
Rentabilidade: definida no momento da compra
Risco: Baixo (esperando até o vencimento); Alto (vendendo antes do vencimento)

Os títulos disponíveis nessa modalidade são:
Tesouro Prefixado (LTN)
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais (NTN-F)

Leia também o artigo Como Investir no Tesouro Prefixado

Títulos Pós-Fixados ou Indexados

No caso dos títulos pós-fixados o investidor não sabe conhece a rentabilidade do título na data de vencimento. Isso porque os títulos pós-fixados têm seu valor atrelado a algum indexador: a taxa básica de juros da economia (taxa Selic) ou a inflação (IPCA). Vejamos as diferenças entre eles:

Indexados à Taxa Selic

A rentabilidade desses títulos acompanha a taxa de juros básica da economia (taxa Selic). O Brasil é um dos países que tem historicamente uma das taxas de juros mais altas do mundo. Logo, esse título uma ótima alternativa a Poupança, pois paga juros mais altos e seu risco é semelhante. Esse título é recomendado para quem precisar do dinheiro no curto prazo ou pretende resgatar o título antes da data de vencimento ou ainda para aqueles que acreditam que as taxas de juros subirão durante o período do investimento. A vantagem do Tesouro Selic é que ele pode ser vendido a qualquer momento sem risco de ter prejuízo. Porém é preciso ficar atento ao investir em prazo muito curtos – inferiores a um ano – devido aos impostos e taxas do Tesouro Direto, o que pode tornar o rendimento líquido inferior ao da Poupança.

Resumindo,
Rentabilidade: indexada à taxa Selic
Risco: Baixo

O único título disponível nessa modalidade é o Tesouro Selic (LFT).

Leia também o artigo Como Investir no Tesouro Selic

Indexados ao IPCA

A rentabilidade desses títulos acompanha a variação do IPCA. O IPCA (Índices de Preços ao Consumidor Amplo) é utilizado para avaliar a variação dos preços dos itens consumidos pela classe média, apurado pelo IBGE. Esse índice é usado para avaliar a inflação oficial do país. Além do IPCA uma parte dos rendimentos é prefixada, por exemplo, a rentabilidade de um título é o IPCA + 6% ao ano. O IPCA é um índice variável, mas os 6%, por serem prefixados, já são garantidos. Pode se dizer também que o investidor terá, nesse caso, um ganho real de 6% ano, livre da inflação.

Esses títulos são mais indicados para investidores de longo prazo, pois protegem o investidor da inflação. Eles geralmente têm prazos mais longos e são bastante utilizados para aposentadoria, faculdade dos filhos e outros objetivos de longo prazo – mais de dez anos.

Resumindo,
Rentabilidade: parte definida no momento da compra e parte indexada a inflação (IPCA)
Risco: Mediano

Os títulos disponíveis nessa modalidade são:
Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal)
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B)

Leia também o artigo Como Investir no Tesouro IPCA+



FIQUE ATUALIZADO!

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!>

Como Investir na Prática

Como Investir no Tesouro Direto na Prática

A parte mais trabalhosa não é comprar o título, mas sim aprender qual título comprar sem precisar de recomendações de especialistas ou de corretoras. Todo o processo de compra/venda é muito simples e é feito pela internet, através do site da sua corretora ou do site do Tesouro Direto.

A maioria das corretoras integraram seus sites ao do Tesouro Direto, tornando-se um agente integrado. Isso significa que você pode comprar e vender títulos públicos no site da corretora/banco. Para as corretoras que não forem agentes integrados a compra e venda é feita diretamente pelo site do Tesouro Direto. Com a sua senha, você acessa a área restrita do site e realiza a compra, a venda, a programação de investimentos, a consulta de extrato, dentre outras transações. No caso da sua corretora ser agente integrado não será possível utilizar o site do Tesouro Direto.

Como a interface varia para cada corretora não irei colocar imagens de tela, apenas descreverei as etapas do processo de compra. Você deverá seguir etapas semelhantes a estas.

1. Transferir recursos para a Corretora

Para investir você precisa de dinheiro, correto? Então o primeiro passo é transferir os recursos para a sua Corretora. Basta acessar o site da sua corretora para descobrir como fazer a transferência. Pode levar alguns dias para que a identificação ocorra, dependendo também se for uma transferência do mesmo banco, DOC ou TED. Depois de identificação o dinheiro aparecerá com saldo na sua conta.

Você também pode fazer a compra primeiro e transferir os recursos depois. Após a confirmação de compra do título será informada a data-limite para que o dinheiro seja transferido para a corretora. Se você não transferir os recursos até a data por qualquer que seja o motivo você será penalizado pelo Tesouro Direto, por isso recomendo sempre transferir o dinheiro por primeiro.

2. Selecionar o Título Desejado

Você deve em seguida acessar a área de compra do site da sua corretora ou do site do Tesouro Direto. Você será apresentado a uma lista com todos os títulos disponíveis para a venda. Lembre-se que há títulos com várias opções de data de vencimento.

3. Definir a Quantidade

Em seguida você precisa definir quantos títulos quer comprar. Para facilitar o investimento de quantias menores, o Tesouro Direto permite que sejam negociadas frações de até 1% do título, desde que esse valor seja de pelo menos R$30. Assim, se você quiser comprar um título irá preencher o campo de quantidade com um “1”, se quiser 15% deverá colocar “0,15”, se quiser comprar 2% do título, irá preencher com um “0,02”, e assim por diante. É possível comprar qualquer porcentagem de número inteiro, como 1%, 10%, 27%, 48%, 79%. Assim, se há um título que custa R$6000, por exemplo, você pode investir nele com apenas R$60 (1% do valor do título).

Pronto, agora é só aguardar até 2 dias úteis para que a compra seja liquidada e você “receba” os títulos. Agora você precisa aguardar a data de vencimento ou fazer o resgate antecipado. Na data de vencimento o dinheiro investido inicialmente acrescido dos juros é depositado automaticamente na conta da sua corretora, podendo então você transferi-lo para a sua conta corrente ou reinvesti-lo. As taxas e impostos, que veremos mais adiante, também serão descontados automaticamente.

Caso seja necessário, é possível resgatar o investimento antecipadamente, vendendo os títulos ao preço de mercado. Para isso é só clicar em “Vender” e o seu título será vendido ao seu preço atual, que pode sem consultado na tabela de títulos públicos.

Em alguns casos a venda antecipada pode levar o investir a ter uma rentabilidade negativa. Se você pretende fazer vendas antecipadas leia os artigos específicos sobre cada título de título onde explico como fazer a venda antecipada e em que casos ela pode ser desvantajosa.

Você pode comprar títulos quantas vezes quiser e na quantidade que quiser. Você pode comprar apenas uma vez ou fazer várias comprar num mesmo dia. Existe apenas um limite máximo de compras por mês que não pode ultrapassar 1 milhão de reais.

E agora que você já fez a sua compra é importante que você conhece as taxas que lhe são cobradas e como elas podem afetar a sua rentabilidade.

Conhecendo as Taxas

Conhecendo as Taxas do Tesouro Direto

Existem algumas taxas que são cobradas para operar no Tesouro Direto. Uma delas é a taxa de administração, como já vimos anteriormente. A outra taxa cobrada é a taxa de custódia que é cobrada pela CBLC/BM&FBovespa.

Taxa de Administração: Ela é cobrada anualmente, pela primeira vez no momento da compra do título e novamente quando a data de compra completar um ano, e assim por diante. Essa taxa não é cobrada por algumas corretoras, mas pode chegar a 0,5% nos grandes bancos. Novamente recomendo que utilize uma corretora com taxa de administração de no máximo 0,1%, que é um valor razoável a se pagar.

Mesmo que você já tenha conta em uma outra corretora, você pode utilizar outra exclusivamente para negociar no Tesouro Direto. Se você tiver uma conta em uma corretora que cobra uma taxa maior sugiro que abra uma nova conta em outra corretora e transfira seus títulos para ela. Para isso você deve abrir sua conta normalmente na corretora escolhida e então solicitar a transferência de custódia junto com seu antigo agente de custódia.

Taxa de Custódia:  É uma taxa anual de 0,3% do valor total do seu título, que é cobrada em duas partes a cada semestre. Essa é uma taxa fixa que é cobrada para “guardar” os seus títulos e não há como “fugir” dela.

Além das taxas que são cobradas há também outro custo que você deve considerar ao investir no Tesouro Direto: os impostos.

Pagando os Impostos

Pagando os Impostos do Tesouro Direto

Já dizia Benjamin Franklin que nada neste mundo pode ser dado como certo, à exceção da morte e dos impostos. Seguindo a regra naturalmente há a cobrança de impostos para aplicações no Tesouro Direto. No caso de venda antecipada de títulos eles podem afetar (e muito) a sua rentabilidade, por isso você precisa conhece-los. A grande vantagem da Poupança nesse sentido é que ela é isenta de impostos, porém a rentabilidade do Tesouro Direto é muito superior e geralmente compensa optar por ele.

A tributação no Tesouro Direto incide apenas sobre o lucro da aplicação. Existem dois tipos de impostos que podem ser cobrados, o IOF e o Imposto de Renda. Ambos os impostos são recolhidos automaticamente pelo agente de custódia.

IOF: O Imposto sobre Operações Financeiras é um imposto que é cobrado apenas no caso de você vender o seu título antes de 29 dias. A cobrança é feita utilizando a seguinte tabela:

Tabela do IOF no Tesouro Direto

Para não pagar esse imposto basta que você não resgate a sua aplicação nos primeiros 29 dias. Se você pretende manter o investimento por menos de um mês poupe tempo e dinheiro e deixe-o na Poupança.

Imposto de Renda: O Imposto de Renda é cobrado utilizando uma tabela regressiva. Veja a tabela a seguir:

tabela IR

Observe que quanto maior o prazo menor é a alíquota do imposto de renda. Assim, o ideal é ficar com o título por pelo menos dois anos para pagar a alíquota mínima de 15%. Mesmo que você faça o resgate antes de 180 dias e pagar a alíquota de 22,5% é provável que tenha uma rentabilidade superior à da Poupança. Sempre confira essa tabela antes de fazer uma venda antecipada. Se você tiver feito a aplicação há 170 dias, por exemplo, bastaria aguardar mais 11 dias e pagar uma alíquota menor.

Uma curiosidade é que os títulos com data de vencimento inferior 720 dias (ou dois anos) não são mais disponibilizados para compra para que o investidor pague o imposto de renda mínimo. Dessa forma, a única forma de pagar uma alíquota maior do que 15% é através da venda antecipada.

Conclusão

Muitas pessoas, quando entendem as vantagens e possibilidades de rentabilidade com baixo risco proporcionadas pelo Tesouro Direto tem deixado de lado a Poupança e outras formas de investimento menos eficientes. Muitas dessas pessoas têm obtido resultados excelentes com o Tesouro Direto.

Como vimos é muito fácil investir através dele e não há motivos para você ficar de fora dessa. Espero que esse artigo tenha sido útil e desejo, de verdade, que você deixe um comentário para que eu possa publicar ainda mais conteúdo de qualidade, como esse. Se você tiver também qualquer dúvida não de me perguntar, estou a sua disposição para respondê-la.

Para saber mais sobre cada um dos títulos públicos leia também os artigos: Como Investir no Tesouro SelicComo Investir no Tesouro IPCA+ e Como Investir no Tesouro Prefixado.



FIQUE ATUALIZADO!

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!>

(crédito das imagens: shutterstock.com)

  • Renato Romero

    Excelente artigo! Me ajudou muito a esclarecer algumas dúvida e também fixar algumas coisas que já havia lido antes.
    PS: A Tabela de imposto de renda não está incorreta? A alíquota de 361 a 720 dias está com a maior porcentagem de todas.

    • Olá Renato!
      Primeiramente obrigado pelo seu comentário.
      De fato a tabela está errada e alíquota correta para o período de 261 à 720 dias é de 17,5%. Obrigado pelo aviso, assim que possível vou corrigi-lo.
      Atenciosamente, Diogo Pereira

  • Wellington Jesus

    Muito obrigado pelo exelente artigo Diogo Pereira, me ajudou muito na compreensão das diferenças entre os títulos públicos do tesouro direto.

  • abcdeqwer

    Sinceramente eu agradeco pelo esforco e pelo conhecimento colocado nesse artigo
    Assim como vc mudou minha vida e a tornou melhor, tenha certeza q muito tbm ficaram muito felizes por causa de seu artigo
    Portanto agradeco por todos eles, Muito obrigado =)

    Lembre-se , vc eh fodah!
    Vlw mesmo!!!

    • Muito obrigado pelo seu comentário!
      Fico muito feliz em saber que pude ajudá-lo.
      Abraços!

  • Gustavo

    Olá, Diogo! Estou engatinhando na área de investimentos e o seu site é o melhor que já encontrei até agora. Seus artigos são bem claros e detalhados, ajudando muito os investidores iniciantes como eu. Li seu livro “O caminho para a independência financeira” e achei ótimo:linguagem clara, objetiva e uma orientação de planejamento incrível. Parabéns pela sua iniciativa e muito grato por todo o conhecimento que você está compartilhando. Abraço!

  • Olá, estou pesquisando e procurando me informar cada vez mais sobre investimentos afim de aumentar a rentabilidade do dinheiro que atualmente mantenho na poupança e este artigo me foi extremamente útil. Agradeço muito pelo sou trabalho!
    Uma pergunta que eu tenho, venda de títulos afim de resgatar o investimento pode trazer prejuízos caso feito de maneira impensada, existe maneires ou situações em que venda de títulos se torne uma opção lucrativa? abraço

    • Olá,
      O resgate antecipado de títulos públicos pode sim trazer prejuízo, com exceção do Tesouro Selic. Por isso recomendo deixar uma reserva de emergência no Tesouro Selic e investir o restante em outros títulos.

  • Rose

    Artigo excelente, muito esclarecedor! Acho que finalmente consegui entender melhor como investir no Tesouro Direto.

  • David de Carvalho

    Obrigado!

    Tenho pesquisado muito sobre varios tipos de investimento e esse me deu uma grande ideia.

  • Carol Landim

    muito bom

  • ramon souza

    excelente, esclarecedor !!