Como Garantir sua Segurança Financeira e se Preparar para Emergências

Tempo de leitura: 8 minutos

A vida é uma caixinha de surpresas em que você precisa estar sempre pronto para o inesperado. Imagine uma situação desastrosa financeiramente em que as suas fontes de renda sequem de uma hora. O seu empregador vai à falência, você é demitido ou tem problemas de saúde. Por quantos meses você conseguiria manter seu estilo de dívida atual sem depender de dívidas?

Para a maioria das pessoas a resposta é nenhum. É fato que a maioria das pessoas não têm uma reserva para emergências financeiras. Quando essas pessoas perdem o emprego, ou tem despesas médicas inesperadas ficam em situações lamentáveis. Muitas dessas pessoas são forçadas a utilizar formas de crédito ou empréstimos, agravando sua situação financeira num país em que até mesmo os empréstimos de curto prazo são caríssimos, devido as altas taxas de juros.

A Lei de Murphy já diz que “se alguma coisa pode dar errado, ela dará”. Por isso faz sentido manter uma reserva destinada para esse tipo de situação, que lhe dará além de segurança financeira e mais tranquilidade para a sua vida. Neste artigo eu vou explicar como você pode montar um fundo de emergência, quem precisa dele, onde aplicar o dinheiro e quando utilizá-lo. Aproveite o conteúdo.

O Que é um Fundo de Emergência

O Que é um Fundo de Emergência

Um fundo de emergência é simplesmente uma reserva financeira que você constrói para se proteger de imprevistos, como uma demissão, dificuldade de pagar dívidas, despesas médicas inesperadas, etc. É um dinheiro que você poupou com o exclusivamente com propósito de lhe ajudar a manter sua vida normal quando a vida tentar lhe pregar uma peça.

Na maior parte do tempo você não irá tocar nesse dinheiro, ele simplesmente ficará parado, rendendo alguns juros e esperando para ser usado quando você realmente precisar dele: quando você perder seu emprego, quando a geladeira pifar ou quando seu carro precisar de reparos.

Se você não tiver uma reserva quando essas coisas acontecem, provavelmente você terá que pegar dinheiro emprestado em algum banco e pagar juros elevadíssimos, ou vender às pressas algum bem por um valor muito abaixo do seu valor real de mercado. Ambas as opções são péssimas, por isso é bom que você comece a montar seu fundo de emergência hoje mesmo. O primeiro passo é definir qual deve ser o tamanho dele, conforme eu explico no próximo parágrafo.

Quanta Proteção Você Precisa?

Antes de definir o tamanho do seu fundo de emergência é essencial que você determine quais são as suas despesas. Junte seus extratos bancários, faturas e notas fiscais e determine o quais são os gastos fundamentais para a sua subsistência e quais são dispensáveis. Se você é empregado, anote apenas os seus custos privados; se for autônomo, anote também os custos do seu negócio. Ao determinar todas essas despesas você saberá quanto precisa para viver sem trabalhar durante um mês.

O próximo passo é determinar o tamanho da sua reserva, ou seja, a renda equivalente a quantos meses que você deve juntar. A maioria dos especialistas concorda que o ideal é poupar de seis à doze vezes as suas despesas mensais. Assim, se seus gastos mensais forem de cerca de R$800, por exemplo, você precisaria juntar no mínimo R$9.600. Via de regra, recomendo que você poupe o equivalente a seis vezes as suas despesas mensais. Um fundo com uma quantia menor do que essa deve ser considerado apenas por pessoas que possuem mais de uma fonte de renda.

Porém, dependendo da sua situação específica pode ser necessário poupar uma quantidade maior do que seis meses. Profissionais liberais e pequenos empresários precisam ter um cuidado maior com sua reserva de emergência. Nesse caso é preciso ter muitas vezes uma reserva para até 12 meses, pois essas pessoas precisam estar preparadas para todas as adversidades, uma vez que ficar alguns meses no prejuízo pode ser parte de muitos negócios. Algumas perguntas que podem lhe ajudar a saber se você precisa de uma reserva maior do que seis meses são:

  • Caso fosse demitido, quanto tempo levaria para encontrar outro emprego?
  • Caso seu negócio vá a falência, quanto tempo precisaria para iniciar um novo negócio?
  • Você tem dívidas atualmente?
  • A renda do seu cônjuge pode cobrir as despesas familiares no caso de você perder o emprego? E vice-versa?
  • Você tem um plano de saúde?
  • Você tem seguro para o seu carro, a casa e outros bens?

Uma vez definida a quantidade que você deseja ter no seu fundo é hora de começar a poupar para que você esteja pronto para todas as emergências. E é exatamente sobre isso que eu falo no tópico a seguir.

Como Montar o seu Fundo de Emergência

Como Montar o seu Fundo de Emergência

Se você não tem um fundo de emergência atualmente pode ser difícil começar a poupar o dinheiro. Acumular dinheiro equivalente as despesas de um único mês pode levar de três a seis meses, logo, pode levar anos até você conseguir criar seu fundo de emergência. Se você tiver dificuldades em poupar dinheiro, recomendo que dê uma olhada no artigo em que falo sobre como economizar todos os meses. Assim que o objetivo de poupar 6 vezes a necessidade mensal for alcançado, esse fundo não deve ser mexido enquanto não houver emergência. Esqueça completamente que ele existe.

Quanto ao investimento em que você colocar o dinheiro, o ponto mais importante a ser considerado na escolha é a liquidez desse investimento. A liquidez é a facilidade com que você pode colocar o dinheiro de volta no seu bolso caso precise dele. De nada adianta ter um fundo de emergência se você precisar esperar uma semana para resgatar o dinheiro, porque até lá já pode ser tarde demais.

Recomendo que você comece colocando o dinheiro na Caderneta de Poupança. Conforme o seu dinheiro aumenta você pode transferi-lo para um investimento mais lucrativo, mas que seja igualmente conservador e com alta liquidez. O objetivo aqui não é obter lucros, mas tão somente deixar o dinheiro em um local seguro em que consiga obter um rendimento pelo menos igual a inflação. Algumas opções de investimentos são:

  • CDB com liquidez diária
  • LCI e LCA com liquidez diária
  • Fundos DI
  • Fundos de Renda Fixa
  • Título Tesouro Selic do Tesouro Direto

Confira também como funciona o resgate do dinheiro e se há taxas ou impostos a serem pagos para resgatar o dinheiro. Uma dica é deixar a renda equivalente a um ou dois meses em uma conta Poupança, de forma que você possa resgatá-lo imediatamente no caso de uma emergência de menor escala investir o restante.

Bem, se você consegui montar o seu fundo de emergência, parabéns! Agora você é uma das poucas pessoas que estão preparadas para os imprevistos e pode desfrutar uma vida mais tranquila, sem medo de ser atingido por situações desastrosas. Mas de nada adianta juntar todo esse dinheiro se você gastá-lo em algo que não for uma emergência. Por isso é importante que você saiba quando usar o seu fundo de emergência.

Quando Usar o Fundo de Emergência

Quando Usar o Fundo de Emergência

O dinheiro do seu fundo de emergência deve, obviamente, ser utilizado apenas em situações de emergência. O problema é que é muito comum que as pessoas usem esse fundo em coisas que não são realmente emergências. Elas veem que conseguiram juntar uma boa quantia de dinheiro e começam a pensar em comprar uma nova televisão ou fazer aquela viagem incrível.

Uma boa ideia para contornar isso é fazer uma “reserva da diversão”. Depois que você tiver juntado todo o dinheiro do seu fundo de emergência crie uma reserva para gastos de longo prazo, como comprar um carro, fazer uma viagem, etc. Mas é muito importante que você não toque no seu fundo de emergência a menos que precise realmente dele. Desse modo todo o esforço que você para juntar o dinheiro terá sido em vão.

Obviamente quando você tiver uma emergência você deve utilizar o dinheiro do fundo. Use-o mesmo que seja uma emergência pequena, como um reparo no seu automóvel. Nesse caso é preferível utilizar o dinheiro do fundo (seu dinheiro) do que a pagar a despesa com o cartão de crédito (dinheiro emprestado). Depois de utilizar o dinheiro da sua reserva a sua principal prioridade deve ser repô-lo o mais rápido possível, de modo a se prevenir para futuras emergências.

Conclusão

É fato que algumas pessoas estão expostas a riscos maiores, como aqueles que recebem um salário variável, ou que tem um emprego sem estabilidade. Mas mesmo aqueles que tem um emprego estável e salário fixo, como funcionários públicos, precisam dessa reserva. Um fundo de emergência deve ser criado por todas as pessoas, de todas as ideias e classes sociais. Infelizmente os imprevistos não fazem distinção entre aqueles que estão ou não estão preparados.

Espero que este artigo tenha sido útil para você e espero também que você consiga criar seu fundo para emergências. Se você tiver qualquer dúvida ou quiser contribuir em algum sentido com este artigo deixe um comentário aqui embaixo.

(crédito das imagens: shutterstock.com)