Como Sair das Dívidas para Sempre – O Guia Definitivo

Tempo de leitura: 12 minutos

Eu sempre tive dificuldade para controlar as minhas finanças e já fique super endividado várias vezes. Na época eu não sabia um décimo do que eu sei hoje. Eu estava sempre procurando uma solução rápida para o problema, mas no fim nunca a encontrei. Hoje felizmente eu eliminei esse problema da minha vida definitivamente, mas tenho percebido que existem cada vez mais pessoas com dívidas.

Assim como eu, essas pessoas não conseguem se controlar financeiramente. Vejo que elas realmente querem sair das dívidas, mas não conseguem fazer com que sobre nenhum dinheiro no final do mês. É fato também que muitas dessas pessoas acham erroneamente que ter mais dinheiro vai solucionar os seus problemas, o que não é verdade. Além disso, vejo que elas não costumam controlar os seus gastos com eficiência e nem priorizar o pagamento das dívidas mais importantes.

Pensando eu tudo isso resolvi escrever este artigo, em que vou, ao longo dos próximos parágrafos, ajudá-lo a entender melhor a sua situação financeira e passar algumas dicas incríveis que vão lhe ajudar a pagar as suas dívidas e ter seu nome limpo novamente. Vamos lá!

Qual é a Sua Relação Com o Dinheiro?

Qual é a Sua Relação Com o Dinheiro?

Muitas pessoas trabalham duro todos os dias e mesmo assim estão atoladas em dívidas. Elas querem pagar as suas dívidas, mas não conseguem. Percebo que essa é uma grande frustração que está atingindo muitas pessoas atualmente. Outro problema é que as pessoas endividadas imaginam que se tiverem mais dinheiro todos os seus problemas irão simplesmente se solucionar. Isso é uma grande mentira e já já vou falar o porquê.

A primeira coisa que você precisa entender é que o endividamento é o resultado da falta de educação financeira. Se você não mudar a relação que você tem com o dinheiro atualmente, mesmo que conseguia pagar suas dívidas, em breve você estará nessa mesma situação novamente. De nada adianta conseguir quitar todas as suas dívidas se você não se propuser uma reeducação financeira. Então, se você não mudar os seus hábitos mais dinheiro não vai resolver nada, muito pelo contrário, irá piorar. Imagine por um momento que você ganhou um aumento de salário. Certo, você poderá quitar as suas dívidas atuais, mas se fizer tudo do mesmo jeito que antes, no fim você terá dívidas ainda maiores do que as anteriores. Você irá aumentar seu padrão de vida junto com o aumento salarial e assumir obrigações maiores do que as anteriores.

Outra coisa que preciso deixar bem claro é que o dinheiro não é sinônimo de felicidade. Quando estamos endividados o dinheiro (ou melhor, a falta dele) torna-se o ponto principal de nossas vidas. Pessoas endividadas tornam-se infelizes. Então em pergunto: será que valeu apena ela se endividar para comprar uma televisão ou um carro novo? Não seria preferível estar sem nenhuma dívida e ter uma vida tranquila e sem preocupações? É claro que o dinheiro pode trazer felicidade se for bem usado. Mas gastar de forma descontrolada para aparentar um padrão de vida acima daquele que seu salário permite só irá lhe deixar envidado, e consequentemente triste.

Para resolver isso uma regra simples se aplica: ganhe primeiro e gaste depois. Tudo que você precisa fazer é inverter a ordem de consumo. Em vez de comprar primeiro e pagar depois, poupe primeiro e compre depois. Você não terá que pagar juros, muito pelo contrário, estará ganhando dinheiro se deixá-lo na Poupança e ainda por cima você receberá um desconto ao pagar à vista.

Parar de fazer novas dívidas, é o primeiro passo que você precisa tomar para livrar-se das dívidas. Se não estiver convencido disso eu lamento, pois não poderei ajudá-lo. Isso inclui não apenas dívidas de consumo como parcelamentos e empréstimos, mas também o cartão de crédito e o cheque especial. Rasgue, literalmente seu cartão de crédito e peça um cartão de débito. Vá também ao seu banco e peça o cancelamento do cheque especial em todas as suas contas. De agora em diante você não precisa mais desses serviços.

Agora que você estancou o sangramento está na hora de avaliar qual a gravidade do ferimento. E é sobre isso que vou falar no próximo tópico.

Conhecendo a Sua Situação Financeira

Conhecendo a Sua Situação Financeira

É impossível consertar algo se você não souber qual é o problema. Mesmo assim muitas pessoas querem se livrar das dívidas sem conhecer qual o real tamanho delas. Saber exatamente para onde vai cada centavo do seu dinheiro é a única forma de saber quanto dinheiro você terá para pagar as dívidas. Eu sei que descobrir sua real situação financeira pode ser algo doloroso, mas isso é necessário caso você queira realmente acabar com esse pesadelo.

A primeira coisa que você precisa fazer é uma lista com todas as suas dívidas: cartão de crédito, cheque especial, empréstimos, financiamentos. Para cada dívida anote o total devido, a taxa de juros e o valor mínimo de cada parcela. Você pode fazer isso em uma folha de papel, ou se preferir você pode baixar a planilha de pagamentos de dívidas do site.

Depois de preenchida, vá atualizando essa lista mensalmente, até que tenha quitado todas as suas dívidas. Por pior que seja a situação você tem agora um ponto de partida. Não tenha medo de descobrir qual é a sua real situação financeira. As dívidas não vão desaparecer por você não conhecê-las. Esse é o primeiro passo efetivo rumo a uma vida sem dívidas.

Outra coisa que você precisa saber é quanto dinheiro tem efetivamente disponível para pagar as dívidas. Para isso anote, seja num caderninho, num aplicativo para o celular ou numa planilha do Excel, todos os seus gastos durante um mês inteiro. Se você não puder anotar os gastos a medida que eles forem ocorrendo, reserve um horário no final do dia para anotar todos os gastos de uma só vez. Seja rigoroso e anote absolutamente tudo. Ao desenvolver esse simples hábito de manter as contas em ordem você também garantirá que não se endividará novamente.

Depois que um mês tiver passado está na hora de analisar essas informações. Se preferir você também pode reconstruir os gastos do mês anterior para agilizar esse processo. Depois que tiver concluído essa coleta você deve separar os seus gastos em diferentes categorias. Nesse momento recomendo que você passe os dados para uma planilha do Excel para que possa organizá-los. Separa as suas despesas em categorias, como alimentação, transporte, água, luz, etc. Para isso você pode baixar essa planilha do nosso site (em breve). Nos meses subsequentes você pode continuar anotando seus gastos da forma que quiser, apenas precisa passá-lo para a planilha no final do mês.

Depois é hora de ver onde você pode cortar gastos. Não dá para sair das dívidas gastando o mesmo que o levou até elas. Você precisará reduzir o seu padrão de vida momentaneamente até conseguir colocar a vida financeira em ordem. Elimine as despesas que são supérfluos e, se não for possível cortar um gasto totalmente veja se não a maneiras de reduzi-los. Depois dos cortes estabelece limites para cada um dos gastos e dessa forma você saberá quanto terá disponível para quitação das dívidas.

Essas simples dicas já solucionam 50% do problema. Agora você tem todas as condições para solucionar o problema das dívidas de fato, e é sobre isso que eu vou falar no próximo tópico.

O Plano para Pagar Dívidas – O Método Avalanche

O Plano para Pagar Dívidas - O Método Avalanche

Aparentemente pagar as dívidas não tem segredo. É só juntar o dinheiro e pagá-la, não é? Bem, isso até é verdade quando estamos falando de apenas uma dívida. Mas quando adicionamos várias dívidas na questão a coisa muda um pouco de figura. Muitas pessoas pagam mais dinheiro do que precisariam no seu processo de quitação de dívidas, porque que elas não priorizam as suas dívidas da forma correta.

O segredo aqui é montar um ranking de dívidas, de forma a priorizar as dívidas mais caras. Você deve pagar primeiro as dívidas com juros mais altos, pois elas correm seu capital mais rapidamente. Uma vez que a dívida que tem a taxa de juros mais alta você segue para a próxima, e assim sucessivamente, até quitar todas as suas dívidas.

Esse método é conhecido como debt avalanche (literalmente, dívida avalanche), pois é a maneira mais rápida e eficiente, matematicamente falando, de se livrar das dívidas, pois você sempre pagará menos juros dessa forma. Quando você não paga as dívidas com juros elevados em primeiro lugar elas irão continuar a acumular juros compostos, aumentando a dívida mais rapidamente do que as suas dívidas com juros mais baixos.

Outra coisa importante é pagar uma dívida de cada vez. Dessa forma, depois de pagar a primeira dívida você terá mais dinheiro sobrando para pagar as outras dívidas. E pague também o valor mínimo de todas as suas dívidas. Apenas o dinheiro que sobrar após isso deve ser utilizado para pagar a dívida com juros mais altos.

Pagar as dívidas com juros mais altos primeiro irá lhe economizar um bom dinheiro, mas você pode também negociar dívidas, e é sobre isso que vou falar a seguir.

Como Negociar as Dívidas

Como Negociar as Dívidas

Algo que muitas pessoas endividadas se esquecem é que podem tentar renegociar as suas dívidas. Dessa forma você pode conseguir condições de pagamento mais favoráveis.

Entre em contato com os credores, exponha a sua atual situação financeira e convença-os que você quer sinceramente pagar o que deve. Quando você demostra que quer pagar a dívida o credor terá a certeza que receberá aquilo que você prometeu e poderá lhe oferecer generosos descontos.

A maioria dos credores estarão dispostos a renegociar a dívida, pois para eles é melhor receber parte da dívida do que não receber nada. Elas podem lhe oferecer um número maior de parcelas, descontos nos juros ou até descontos no valor principal. Mas atenção! Ao negociar certifique-se de que você poderá cumprir com o que for acordado.

Outra medida que pode lhe ajudar é juntar várias dívidas em uma só, que é mais vantajosa, como veremos no próximo tópico.

Consolidando as Dívidas

Consolidando as Dívidas

Um recurso muito útil, que muitas pessoas desconhecem, é a consolidação das dívidas. A consolidação não é nada mais do que reunir várias dívidas em uma única, ou seja, contrair uma nova dívida para substituir as antigas. Mas é claro que isso deve ser feito se o resultado for matematicamente vantajoso para você.

Isso é útil apenas para as dívidas como do cartão de crédito e do cheque especial que cobram juros mais altos. Se você tiver essas dívidas considere obter um empréstimo pessoal para quitar todas as suas dívidas e ficar com apenas uma dívida. A taxa de juros desse empréstimo deverá ser, naturalmente, menor do que as taxas praticadas das suas dívidas anteriores. Dessa forma você acabará tendo uma dívida menor.

Isso pode ser realizado sempre que você puder contrair uma dívida com taxas de juros menores que as anteriores. Você poderá então negociar também descontos com o credor original para o pagamento à vista. Mas tome cuidado para não tapar um buraco e abrir outro maior ainda. Certifique-se de que será mais vantajoso pagar a segunda dívida e tenha um plano de como pagá-la já elaborado.

Conclusão – Recapitulando

Até aqui já formam mais de 1850 palavras de conteúdo, então é natural que você se esqueça de algumas coisas. Vamos dar uma revisada no que você aprendeu:

  • É preciso mudar a sua relação com o dinheiro para não contrair dívidas novamente
  • Poupe primeiro e compre depois, inverta a ordem de consumo
  • Cancele seu cartão de crédito e cheque especial
  • Faça uma lista com todas as suas dívidas a atualize-a mensalmente
  • Anote todos os seus gastos durante um mês inteiro
  • Corte despesas ou tente ao menos reduzi-las
  • Descubra quanto dinheiro você terá disponível para o pagamento das dívidas
  • Pague suas dívidas em ordem pela taxa de juros
  • Comece com a que tiver a maior taxa de juros
  • Foque-se em pagar uma dívida de cada vez, pagando também a taxa mínima em todas as suas outras dívidas
  • Entre em contato com os credores e tente renegociar as dívidas
  • Se for vantajoso, considere consolidar as dívidas

Adotar um padrão de vida de acordo com a sua renda é a única forma de ficar longe das dívidas para sempre. Algumas das medidas mais importantes para isso já estão sendo tomadas durante a quitação das suas dívidas. O que você precisa fazer agora é manter um padrão de consumo condizente com a sua realidade financeira. Dessa forma garanto que nunca mais terá que se preocupar com esse problema novamente. Aqui no site você encontrará outros artigos sobre educação financeira, que lhe serão úteis.

Espero de verdade que esse artigo tenha sido útil para você e gostaria muito que você deixasse um comentário abaixo para que eu possa produzir mais conteúdo de qualidade, como esse.

(crédito das imagens: shutterstock.com)