Como Escolher uma Corretora?

Tempo de leitura: 9 minutos

O primeiro passo de qualquer investidor é abrir uma conta em uma corretora de valores. Existe uma enorme variedade de corretoras no mercado e escolher uma delas é uma tarefa que exige calma. Abrir uma conta na primeira corretora que aparecer pela frente é, na maioria das vezes, um erro gravíssimo, que fará você se arrepender mais tarde.

Quase todo dia recebo e-mails de leitores pedindo qual corretora escolher, se a corretora Y é boa, qual corretora recomendo, se tenho conta na corretora Z, etc. Por isso, quero lhe mostrar neste artigo tudo que você precisa saber para escolher a corretora ideal para você, sempre levando em conta o seu perfil de investidor. Espero que goste!

Defina seu Objetivo

Definir o seu objetivo é o ponto de partida para escolher a corretora certa. A primeira pergunta que você deve se fazer é em que você irá investir. Uma corretora boa para mim pode não ser boa para você, simplesmente porque talvez você queira investir em renda fixa e eu quero investir em ações. Uma corretora pode ser mais barata para investir em ações, outra para Tesouro Direto. Já outra tem mais opções de fundos de investimentos e uma outra tem as melhores taxas de CDB.

Além disso, para um investidor iniciante pode ser interessante que a corretora disponibilize um material detalhado que ensine como investir em ações. Já para um investidor mais experiente um home broker rápido e com várias ferramentas pode ser mais útil. Tudo depende de quais são suas necessidades. Uma vez que você as conhece você já pode começar a procurar por uma corretora.

Procure as Corretoras

Em seguida talvez você queira acessar uma lista de corretoras, que pode ser encontrada no site da BM&F Bovespa através deste link. Lá, além de encontrar todas as corretoras em operação no Brasil você pode filtrá-las de acordo com os produtos que elas oferecem (renda variável, renda fixa, Tesouro Direto, commodities, moeda, derivativos, etc); pelos seus serviços (administração de carteiras, home broker, mobile broker, empréstimo de ativos, etc); e também pelos tipos de clientes que atendem e por seus selos de qualificação. Outra forma, mais rápida e fácil é através do nosso Guia de Corretoras, no qual listamos as principais corretoras que operam em renda variável e no Tesouro Direto.

Fique longe da corretora do seu banco

A primeira coisa que você deve esquecer na hora de buscar uma corretora é o seu banco. As corretoras vinculadas aos grandes bancos costumam cobrar taxas muito mais elevadas do que as corretoras independentes. Assim, em 99% dos casos não vale a pena optar pelas corretoras dos bancos.

É fato que muitas pessoas acham mais cômodo optar pela corretora do seu banco, seja pela insistência do seu gerente ou pela comodidade de não precisar abrir uma conta em uma corretora. Mas essa escolha certamente vai ter um impacto negativo sobre a sua rentabilidade, lhe fazendo perder dinheiro. A taxa de administração do Tesouro Direto, por exemplo, costuma variar de 0 (zero!) até 0,10% ao ano na maioria das corretoras independentes, enquanto que nas corretoras dos grandes bancos é comum vê-la chegar aos 0,50% ao ano.

Além de oferecerem taxas mais baixas, as corretoras independentes oferecem produtos e fundos de investimento de diferentes gestoras, e com taxas mínimas de aplicação menores, permitindo o acesso a uma gama muito maior de produtos do que nos grandes bancos.

Compare os Custos de Operação

Custos de Operação

A segunda coisa que você provavelmente vai querer olhar são os custos de operação. Afinal, quanto menores forem os custos maior será a sua rentabilidade líquida. Um bom ponto de partida novamente é o nosso Guia de Corretoras, em que você encontra as taxas das principais corretoras do mercado para renda variável (ações) e Tesouro Direto, bem como uma breve explicação sobre como funciona a cobrança dessas taxas.

A escolha da corretora – falando especificamente de renda variável – depende do seu estilo de investimento, isto é, da quantidade de operações de compra/vende você realiza em média por mês. Se você realizar poucas operações, a taxa de custódia deverá ter um peso maior na sua decisão. Se você realizar muitas operações, deve procurar a menor taxa de corretagem. Perceba que as taxas variam muito de uma corretora para outra. A taxa de corretagem nas principais corretoras, por exemplo, varia de R$1,99 podendo chegar até a cerca de R$25.

Vamos ilustrar essa situação melhor com um exemplo. Suponha que a corretora A cobre R$10 por cada operação (taxa de corretagem) e não cobra a taxa de custódia. Já a corretora B cobra apenas R$2 por cada operação realizada (taxa de corretagem) mas cobra também uma taxa fixa mensal de R$40 (taxa de custódia). Os custos mensais de ambas as corretoras, de acordo com o número de operações realizadas, são dados pelo gráfico a seguir.

Observe que se forem realizadas entre 0 e 5 operações por mês, vale mais a pena optar pela corretora A, em que haverá um custo menor. Se forem realizadas mais de 5 operações por mês a corretora B oferece um menor custo. E se forem realizadas exatamente 5 operações mensais? Então a escolha é indiferente, pois o custo em ambas corretoras será de R$50. Portanto, é bom que você tenha uma noção de quantas operações irá realizar, em média, para escolher uma corretora que irá minimizar os seus custos.

Vale destacar também que muitas corretoras oferecem planos/pacotes de corretagem diferenciais para quem tem um grande volume de operações. Também vale lembrar que se você operar pela mesa de operações em vez do home broker as taxas também costumam ser diferentes. Por último, se você pretende operar no mercado fracionário, também há corretoras que oferecem taxas diferenciadas. Ou seja, a dica é pesquisar pelos preços mais baixos, sempre tendo em mente que tipos de operações você irá realizar.

Outro ponto que você deve ficar atento são os custos que não são cobrados pelos investimentos diretamente, como a taxa de saque dos recursos para a conta bancária que algumas corretoras cobram. Também há os custos de transferência que o seu banco pode lhe cobrar para transferir os recursos para a corretora. Se o seu banco cobra por essas operações de DOC e TED é interessante verificar qual (is) banco (s) a corretora utiliza para receber depósitos, visto que transferência entre contas do mesmo banco que o seu não costumam ser cobradas.

Verifique os Serviços e Ferramentas Oferecidos

Depois de analisar os custos talvez você queira ver quais outros recursos a corretora oferece. Alguns recursos que podem ser do seu interesse são:

  • Home broker (facilidade de uso, recursos, velocidades, etc.)
  • Ferramentas de análise gráfica
  • Acompanhamento do trade ao vivo
  • Fórum/comunidade de discussão
  • Aplicativo mobile
  • Calculadora de IR
  • Relatórios de análises de mercado
  • Recomendações de investimento (personalizadas ou não)
  • Cursos, palestras, etc.

Analise cada um desses pontos cuidadosamente antes de escolher uma corretora, pois de nada compensa economizar alguns reais se não puder realizar operações pelo smartphone, caso você necessite disso, por exemplo.

Teste o Atendimento ao Cliente

Atendimento

Uma questão fundamental que deve ser observado antes de abrir sua conta é o atendimento ao cliente. Infelizmente acabamos não dando muita atenção para essa questão até o momento em que surge um problema e não conseguimos resolvê-lo. Assim, antes de abrir sua conta recomendo verifique quais são os canais de atendimento que a corretora disponibiliza (telefone, e-mail, chat) e tente entrar em contato para tirar alguma dúvida (se você não tiver nenhuma invente uma). Dessa forma você irá testar a facilidade de entrar em contato e a qualidade do atendimento e, caso a corretora não tenha realizado um bom atendimento de teste você já sabe o que esperar dela no futuro.

Abra a sua Conta!

Depois de procurar pelas diversas corretoras do mercado, comparar e encontrar uma corretora que tenha os menores custos, os serviços e ferramentas desejados e um bom atendimento o último passo que falta é abrir a sua conta na corretora. Hoje em dia a abertura da conta é feita online em praticamente todas as corretoras. Tudo que você precisará fazer é digitalizar (ou tirar uma foto) de um documento de identidade e comprovante de residência. Por último, é necessário assinar o contrato de intermediação. Geralmente você só precisará imprimir, assinar e digitalizá-lo, contudo, algumas corretoras podem exigir que você o envie pelos correios. E pronto! Sua conta está aberta e você já pode começar a investir. 

Conclusão

O mais difícil na hora de escolher uma corretora é equilibrar as suas necessidades como investidor – obter os custos mais baixos possíveis – com as suas necessidades como cliente –  ter um bom atendimento e recursos adequados. Como a primeira corretora que você encontrar provavelmente não é a mais adequada para o seu perfil você terá mais chances de obter sucesso como investidor ao dedicar o tempo necessário para visitar o site da corretora e entender como funcionam seus preços, serviços e produtos. Não tenha pressa na hora de escolher sua corretora.

Por último, vale dizer que nada impede que você abra uma conta em diferentes corretoras para cada uma de suas necessidades de investimento. Eu mesmo tenho conta em uma corretora que uso para investir no Tesouro Direto e outra que uso para investir em ações.

Espero que este artigo tenha sido útil e caso tenha alguma dúvida ou queira compartilhar suas experiências na escolha de corretoras é só deixar um comentário aqui embaixo, tá? 🙂

(crédito das imagens: shutterstock.com)