Como Investir Dinheiro no Longo Prazo – O Guia Absolutamente Completo

Tempo de leitura: 11 minutos

Muitas pessoas deixam de investir porque acham que é complicado de mais. Mas se você quer construir riqueza no longo prazo, garantindo a sua aposentadoria, investir é a maneira mais fácil de fazer isso. Muitas pessoas quando pensam em investir se imaginam escolhendo ações meticulosamente, acompanhando o mercado de ações diariamente e constantemente comprando e vendendo ações. Em vez disso, a maioria dos investidores inteligentes tenta se igualar ao mercado, o que a longo prazo tende a produzir resultados melhores do que aqueles que tentam superar o retorno médio do mercado. Pesquisas acadêmicas demonstram claramente que essa estratégia funciona, pois protege os investidores de sua própria irracionalidade, diminui a necessidade de entender de contabilidade e finanças, requer quase nenhum compromisso de tempo, e é baratíssima.

Então, tudo que você precisa fazer é escolher investimentos que tentam imitar o comportamento do mercado e deixá-los parados por 20 ou 30 anos. Quando você for ver estará sentado em uma pilha de dinheiroÉ muito simples, e é algo que todos podem e devem fazer. Na verdade, é uma das melhores maneiras de construir riqueza sem esforço no longo prazo. Muitos se referem a isso como investimento “buy and hold” ou “comprar e segurar”, porque ele requer pouco esforço par ser colocado em prática e não necessita que você fique acompanhando o mercado de ações, a situação econômica do país, a saúde financeira de empresas, ou qualquer outra coisa. A carteira de investimentos fica, depois de montada, o tempo todo no piloto automática, exigindo apenas uma rebalanceamento de vez em quando.

Neste artigo ire lhe mostrar um guia passo-a-passo de como investir no longo prazo através do método testado e aprovado de alocação de ativos. A estratégia que irei apresentar se baseia-se em:

  • Comprar ativos de renda variável naturalmente diversificados e ativos de renda fixa
  • Diversificar dentro dessas categorias de ativos (diferentes ações e diferentes títulos)
  • Nunca vender esses ativos, sob qualquer condição, não importando o quão desastrosa sua situação aparente estar.
  • Comprar mais ativos regularmente e reinvestir os lucros
  • Manter os custos tão baixos quanto possível e com o menor volume de negócios possível

Ao longo dos próximos parágrafos irei mostrar passo-a-passo como montar uma carteira de investimentos seguindo os princípios desse método. Aproveite o conteúdo!

Passo 1: Defina a sua Alocação de Ativos

Defina a sua Alocação de Ativos

Há muitas opções no mercado além das ações, e uma boa carteira deve incluir diferentes tipos de investimento, de renda variável e renda fixa. Essa separação da carteira de investimentos em diferentes categorias de ativos é chamada de alocação de ativos. A porcentagem de cada tipo de investimento na sua carteira deve ser definida de acordo com uma série de fatores, como idade, tolerância ao risco e as metas pessoais de investimentos. Porém, há uma regra simples que podemos utilizar para definir isso, utilizando a fórmula abaixo.

90 – sua idade = porcentagem de renda variável em sua carteira

Então, se você tiver 30 anos sua carteira terá 60% em renda variável (90-30 = 60) e os restantes 40% serão compostos por ativos de renda fixa. Se, no entanto, você tem um perfil mais conservador você pode querer colocar 50% dos seus investimentos em renda fixa. Não há problema algum nisso, essa fórmula é um bom ponto de partida mas a cabe a você decidir com que porcentagem se sente mais seguro para investir.

A medida que você envelhece, você deve ajustar sua alocação de ativos de acordo com sua idade. Se você seguir a “regra dos 90”, você vai comprar mais ativos de renda fixa quando tiver 40 anos, do que quando tiver 30 anos. A ideia é que quando mais velho você ficar, menor seja o risco da sua carteira de investimentos.

Evolução da alocação de ativos seguindo a "Regra dos 90"

Uma vez que você tenha definido qual a porcentagem da sua carteira de investimentos que quer ter em renda fixa e em renda variável, você já pode começar a comprar os ativos de renda variável, como veremos no próximo tópico.

Passo 2: Compre Fundos de Índice (Renda Variável)

Compre Fundos de Índice (Renda Variável)

A melhor maneira de começar a investir em renda variável é com fundos de índice. Um fundo de índice, também chamado de ETF, é um fundo que visa espelhar um índice específico do mercado de ações. Esses fundos são negociados diretamente na bolsa de valores, da mesma forma que as ações. Os fundos de investimento seriam uma alternativa para investir em renda variável, o problema é que eles têm taxas de administração muito mais elevadas do que os fundos de índice. Além disso os fundos de índice têm outras vantagens, como investimento mínimo menor do que a maioria dos fundos de investimento, reinvestimento automático dos dividendos, entre outros.

Por tentarem combinar com o retorno médio do mercado, os fundos de índice tendem a resultar em retornos bastante elevados no longo prazo. Embora o retorno passado não seja garantia de retorno futuro, toda vez que um investidor seguiu esta receita e manteve-a por 25 anos ou mais os resultados têm sido extremamente lucrativos.

Os ETFs com maior número de negociações na bolsa são o BOVA11, o PIBB11 e o SMAL11. O BOVA11 procura espelhar o Índice Bovespa, que é o indicador do desempenho médio do mercado de ações. O PIBB11 espelha o índice IBrX50, que é composto pelas cinquenta ações mais negociadas na Bovespa. O SMAL11, por sua vez, reflete o Índice Small Cap, que é composto por empresas de menor porte. Com apenas esses três fundos de índice já é possível montar uma carteira de investimento altamente diversificada.

Recomendo que você leia este outro artigo onde falo especificamente sobre fundos de índice para que saiba mais sobre o assunto. Continue a leitura para o próximo tópico, onde vamos ver como investir com ativos de renda fixa.

Passo 3: Compre Títulos Públicos do Tesouro Direto (Renda Fixa)

Crédito: Tesouro Direto
Crédito: Tesouro Direto

O Tesouro Direto é um mercado de compra e venda de títulos da dívida pública. Ele é a melhor forma de investir em renda fixa, pois permite investimentos iniciais a valores baixíssimos (a partir de R$30), permite diversificação e tem baixos custos. Os títulos têm um valor determinado e uma data de vencimento, no qual o investidor recebe de volta o dinheiro investido acrescido de juros. Se você quiser, também existe a possibilidade de vendê-los antes da data de vencimento.

O Tesouro Direto oferece basicamente três tipos de títulos: um prefixado, no qual o investidor já conhece de antemão a rentabilidade; um atrelado a taxa Selic, que rende anualmente conforme a taxa Selic; e outro atrelado ao IPCA, que rende conforme a inflação e tem ainda um rendimento prefixado. Esses três títulos são, respectivamente, o Tesouro Prefixado, Tesouro Selic e Tesouro IPCA+.

Para a nossa estratégia de investimento de longo prazo o título mais recomendado é o Tesouro IPCA+, que rende conforme a inflação. Dessa forma, você tem a garantia que seu dinheiro irá render sempre acima da inflação, não importando o qual alta ela esteja,

Para saber mais sobre o Tesouro Direto sugiro que você leia o artigo em que ensino absolutamente tudo sobre como investir no Tesouro Direto. Uma vez que você já tem seus ativos de renda variável (fundos de índice) e de renda fixa (títulos do Tesouro Direto), vamos ver como é possível diversificar ainda mais os seus investimentos no tópico a seguir.

Passo 4: Diversifique Mais

Diversifique Mais

Para diluir o risco da carteira de investimento é possível investir em outras categorias de ativos além das citadas, como fundos imobiliários e ouro. Esses ativos são opcionais e devem servir apenas como forma de proteção, nunca ultrapassando, juntos, mais do que 30% da composição total da sua carteira.

Fundos Imobiliários

Fundos Imobiliários permitem adquirir cotas de empreendimentos imobiliários, como prédios comerciais, shoppings, hospitais, etc. Os rendimentos na maioria das vezes provem de alugueis. Os fundos imobiliários são negociados na bolsa de valores, da mesma forma que as ações de empresas, sendo possível investir em fundos imobiliários a partir de apenas R$100. O ideal é investir em cerca de dez fundos imobiliários diferentes. Caso isso não seja possível, procure ter no mínimo 5 fundos imobiliários em sua carteira.

Ouro

O Ouro pode ser utilizado como uma forma hedge, que significa proteção. Para saber mais sobre investimento em ouro recomendo que dê uma olhada no artigo Como Investir em Ouro. O fundo de investimento em ouro mais barato que encontrei exige uma aplicação inicial de R$1000. Logo, é necessário ter uma grande capital para investir em ouro, uma vez que ele deve ter uma posição minoritário na carteira de investimentos.

Uma vez comprados os ativos alternativos sua carteira está pronta, bastando agora que você realizar aportes mensais regulares e rebalanceá-la regularmente, como falo no próximo tópico.

Passo 5: Contribua com Regularidade e Faça Rebalanceamentos

Contribua com Regularidade e Faça Rebalanceamentos

Então, você comprou os ativos e montou sua carteira. Bom trabalho! Agora você deve programar aportes recorrentes na sua carteira para que seu capital aumente ainda mais. Separa uma parte da sua renda mensal para investir todo o mês, separando-a nos diferentes ativos de acordo com a alocação de ativos que você definiu.

Não caia na armadilha de verificar seus investimentos a cada dois dias e não se importe se o mercado está subindo ou descendo. Em suma, não faça nada. Lembre-se que essa é uma estratégia de longo prazo. Tudo que você precisará fazer é um rebalanceamento regular da carteira. Este rebalanceamento servirá para dois propósitos: (a) manter a alocação de ativos de acordo com o planejado e (b) alterar a alocação de ativos conforme você avança de idade.

De Quanto Dinheiro Eu Preciso?

De Quanto Dinheiro Eu Preciso?

Uma dúvida que você pode ter é quanto ao capital mínimo necessário para aplicar esta estratégia. A quantidade mínima para investir depende do preço que cada ativo e também da alocação de ativos que você definiu no primeiro passo. Portanto, mesmo tendo como base os preços atuais dos ativos, não posso fixar um valor mínimo.

No entanto, sua carteira deve, necessariamente ter os seguintes ativos para que você tenha um nível mínimo de diversificação:

  • BOVA11 ou PIBB11;
  • SMAL11;
  • Tesouro IPCA+;
  • Tesouro Selic;
  • Tesouro Prefixado.

Naturalmente se o seu capital permitir você deve comprar ambos os ETFs (BOVA11 e PIBB11) e fundos imobiliários também. Geralmente a partir de R$10.000 já é possível comprar todos os três ativos de renda variável, os três ativos de renda fixa e de cinco à dez fundos imobiliários. Já o investimento em ouro pode ser feito em carteiras a partir de R$50.000. Abaixo deste valor não vejo necessidade para isso.

Enfim, adapte os ativos da sua carteira de acordo com o capital que você dispõe e lembre-se também que você deve manter as taxas o mais baixo possível.

Conclusão – Recapitulando

Neste artigo você aprendeu:

  • As vantagens do investimento em longo prazo
  • Como definir uma alocação de ativos ideal
  • Como comprar ativos de renda variável
  • Como comprar ativos de renda fixa
  • Como aumentar a diversificação através de fundos imobiliários e ouro
  • A importância dos aportes mensais
  • A necessidade de fazer rebalanceamentos
  • O valor mínimo para aplicar esta estratégia

Muitas pessoas quando entendem que podem ganhar dinheiro sem fazer quase nada o utilizam para garantir a sua aposentadoria, de modo que tenham uma vida tranquila na velhice. Espero que este artigo tenha sido útil para você e desejo que tenha muito sucesso aplicando esta estratégia. Peço que deixe um comentário abaixo para que eu possa saber o que você achou sobre este artigo e para que eu possa publicar ainda mais conteúdo como este.

(crédito das imagens: shutterstock.com)